fbpx
Freud

O que é horror e o que Freud tem a ver com isso?

Você sabia que o pai da psicanálise estudava o horror?

Há mais de 100 anos, Sigmund Freud, o pai da psicanálise publicou um longo ensaio “Das unheimliche”. No texto, Freud reflete sobre o que sentimos diante das narrativas de horror. Um tema que também atraiu outros pensadores como: Aristóteles, Santo Agostinho, Thomas Hobbes, Martin Heidegger. Mas antes de falar sobre o alemão, vamos falar sobre o gênero horror.

O que é horror?

Basicamente, o horror causa uma sensação de pânico, medo e outros sentimentos ou emoções de pavor ao longo da leitura.

Já nas características, pode-se dizer que o horror é um tipo de convocação horripilante. Ou seja, seja real ou não, a obra pode ter de tudo, desde o sobrenatural até as situações de massacres e guerras. Assim como nos primeiros anos, as obras de horror foram ganhando novos personagens e possibilidades ao longo do século.

Quer saber mais? Leia o post completo sobre horror e suas características.

O que Freud diz sobre o horror?

Na obra, Freud reflete o medo de situações cotidianas mas que geram processos mentais profundos. E essa análise, como grande parte dos estudos do alemão, tem base em elementos ligados à sexualidade.

Na visão de Freud, o medo é desencadeado pela ameaça de castração e pelos desejos reprimidos. Para ele, a realidade psíquica seria tanto a fonte de estranheza, mas a causa dos principais elementos causadores de nossos temores.

Resumindo, o autor explica que nossa mente está sempre fazendo escolhas sobre o que manter ou não em nosso consciente. Algumas questões são tão incômodas que acabamos por reprimi-las da nossa consciência. Assim, transformamos o conhecido em desconhecido. Quando lemos um texto que deixe lacunas, nossa mente logo as preenche com aquilo que imagina ser mais apavorante: os traumas que escondemos de nós mesmos.

Algumas obras que transmitem a sensação de horror descrita por Freud:

  • Caixa de Pássaros (livro de Josh Malerman)
  • Um Lugar Silencioso (filme dirigido por John Krazinski)
  • Nós Sempre Vivemos no Castelo (livro de Shirley Jackson)
  • O Babadook (filme de Jennifer Kent)
  • It: A Coisa (livro de Stephen King)
  • A Bruxa de Blair (filme de Eduardo Sanchez e Daniel Myrik)
  • Nós (filme de Jordan Peele)
  • O Iluminado (filme de Stanley Kubrick)
  • O Bebê de Rosemary (filme de Roman Polanski)
  • O Exorcista (livro de William Peter Blatty)
  • O Poço e o Pêndulo (conto de Edgar Allan Poe)
  • Coraline (novela de Neil Gaiman)
  • Hereditário (filme de Ari Aster)

Freud ajudou a entender o que você sente com uma obra de horror? Me conta nos comentários qual é a produção audiovisual ou literária do gênero que mais mexeu com você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: