fbpx
Porto Alegre Noir

Porto Alegre Noir promove o bate-papo Murder Ballads

Na quinta-feira, 8 de agosto, às 19h, a Padula Livros (R. Cel. Fernando Machado, 997) recebe a primeira edição do Porto Alegre Noir Pocket: “Murder Ballads – as histórias de crime e morte na música popular”.

– A versão pocket chega para ampliar o espectro temático do evento, abordando manifestações diferentes da ficção de crime. Depois de falarmos sobre literatura, cinema e quadrinhos, agora vamos falar sobre música. A ideia também é levar o PAN a outros públicos, em lugares mais intimistas e contribuir com a cena cultural da cidade. – comenta Cesar Alcázar, um dos idealizadores do evento.

Narrar histórias de assassinato por meio da música é uma tradição que vem de tempos distantes, passada oralmente de geração em geração até os primeiros registros conhecidos, datados da Idade Média. É nos Estados Unidos do século XIX que essas baladas de morte ganham sua cara mais conhecida. Lá se criou um repertório que ainda resiste e continua a inspirar seus descendentes modernos no rock and roll, blues e country.

Artistas como Johnny Cash, Nick Cave, Bob Dylan e Joan Baez foram alguns dos tantos que cantaram crimes verdadeiros ou puramente ficcionais. E para falar sobre essa distinta tradição, o Porto Alegre Noir Pocket reunirá três músicos da cena portalegrense para um bate-papo: Ron Selistre, desenhista e músico, ex-vocalista e guitarrista da Damn Laser Vampires, possui um trabalho musical solo, o Solomon Death e escreve/desenha a revista mensal “Contos do Darkside Café”; Maria Elvira, professora, vocalista e compositora da banda The Murder Ballads Club; e o músico Rodrigo Fernandez.

Porto Alegre Noir

O Porto Alegre Noir é um evento cultural e de caráter temático, dedicado à literatura policial e ao cinema de inspiração noir. O objetivo da iniciativa é reverenciar um dos gêneros de literatura e cinema mais cultuados por fãs e admiradores de todas as idades, geração após geração.

– O Porto Alegre Noir surgiu a partir da constatação de que a literatura policial e o cinema noir possuem uma legião de fãs que dialogam, sem preconceitos, entre as duas formas de manifestação artística: os livros e os filmes. Unir as duas vertentes em um único evento reforça e valida o verdadeiro objeto de culto que é o noir, um conceito por vezes vago e misterioso, tão bem expresso pela estética das luzes e sombras e pelos desvios morais da alma humana, características presentes nas melhores obras do gênero- explica Jorge Ghiorzi, também idealizador do PAN.

Em 2019

Em abril de 2019 aconteceu a segunda edição do evento. Ela trouxe uma extensa programação com workshops, debates, exposição, mostra de filmes e espaço para venda de livros. Entre os bate-papos, “À Sangue Frio – o crime verdadeiro e a literatura”, com Rafael Guimaraens, Sandra Abrano e Luiz Gonzaga Lopes, “A lendária Coleção Amarela da Livraria do Globo”, com Sérgio Karam, Paula Ramos e Samir Machado de Machado e “Dashiell Hammett e os 90 anos de Safra Vermelha”, com Júlio Ricardo da Rosa e Juremir Machado da Silva.

Na mostra de cinema noir, ganharam destaque quatro dos seis diretores da programação, que sofreram perseguições durante o período do McCarthismo nos Estados Unidos, Cy Endfield (Justiça Injusta, 1950), Edward Dmytryk (Até a Vista, Querida, 1944), Abraham Polonsky (A Força do Mal, 1948) e Joseph L. Mankiewicz (O Ódio é Cego, 1950).

A ficção policial é uma ótima ferramenta para dissecar as mazelas da sociedade em que vivemos. Por isso, um evento como o Porto Alegre Noir se torna ainda mais necessário no contexto atual do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *